Quais são modelos de negócios viáveis para o jornalismo

Compartilhe

Que modelos de negócio são viáveis para empresas jornalísticas hoje?

Conversei sobre o tema com a professora Beth Saad, em webinário da série Empregabilidade no Jornalismo Digital Brasileiro. Está no canal do YouTube do Departamento de Jornalismo e Editoração (CJE), da Escola de Comunicação e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP).

Em 2001, apresentei minha dissertação de mestrado na ECA, que tinha como título A economia do excesso e tratava da venda de informações pela web.

Apesar de ter escrito a dissertação antes do estouro da bolha da internet, o que penso agora não é muito diferente do que pensava naquela época.

Há oportunidade de vender notícias que as pessoas possam usar no trabalho (como as que tratam de economia e negócios) e para empresas que não tenham como atividade principal o jornalismo.

Mas muita coisa mudou de lá para cá. Plataformas tecnológicas como Google e Facebook concentram cerca de 80% do mercado de publicidade digital, o que fez com que muitos veículos tradicionais buscassem viver de assinaturas.

Para publicações segmentadas, eventos eram uma boa fonte de receita, mas daí veio a pandemia.

Transformação digital

Eu me formei em 1995, ano da chegada da internet comercial ao Brasil, e escrevi a respeito meu trabalho de conclusão do curso de jornalismo, sob orientação do professor Ethevaldo Siqueira.

Depois que me formei, o Ethevaldo me chamou para trabalhar com ele na Revista Nacional de Telecomunicações (RNT). Meu primeiro desafio foi lançar o site da revista.

Naquela época, eu achava que, quando os meios digitais ultrapassassem os tradicionais, eu já estaria aposentado. Lembro que a Folha de S. Paulo tinha uma campanha chamada Folhão do Milhão, porque tirava mais de 1 milhão de exemplares no domingo.

Hoje, o cenário é outro. As plataformas tecnológicas colocaram em xeque até mesmo os modelos de negócio do jornalismo digital.

A transformação digital das comunicações não é um processo simples.

Fui aluno da Beth Saad na graduação, mestrado e doutorado, e fiquei muito feliz de participar do webinário.


Compartilhe
Publicação Anterior

Quais são os caminhos para a Indústria 5.0

Próxima Publicação

Quais foram os melhores filmes de 2021

Veja também

Estão abertas as inscrições para a próxima turma virtual do programa Start Path, da Mastercard

MasterCard quer fechar parcerias com startups

Compartilhe

CompartilheO Start Path Global, programa da MasterCard para parcerias com startups, está com inscrições abertas para a turma de Inverno 2016. O programa global terá início em janeiro do próximo ano. A empresa procura startups com […]


Compartilhe
Mais de 65% dos custos de criação de software são relativos à sua manutenção / Mikael Hvidtfeldt Christensen/Creative Commons

Testes de software evitam prejuízos a longo prazo

Compartilhe

CompartilheA transformação digital habilita novas soluções que facilitam a nossa vida diariamente. Porém, as novas tecnologias criam um usuário peculiar, que está integrado ao processo de qualidade dos produtos. Nesse contexto, as empresas precisam estar […]


Compartilhe
Kelvin Queiroz, da Siagri, e Bruno Custodio, da Sky.One, falam sobre nuvem no agronegócio no inova.jor cast

Como está a adoção de nuvem no agronegócio

Compartilhe

CompartilheO agronegócio tem investido em computação em nuvem, em seu processo de digitalização. Kelvin Queiroz, analista de alianças e parcerias da Siagri, e Bruno Custodio, gerente de vendas de nuvem da Sky.One, conversaram sobre o […]


Compartilhe