Nuvem habilita processo de inovação nas empresas

Demanda por serviços de nuvem incentiva terceirização de TI / Renato Cruz/inova.jor
Compartilhe

Nuvem é primeiro passo para inovação e transformação digital / Renato Cruz/inova.jor
Nuvem é primeiro passo para inovação e transformação digital / Renato Cruz/inova.jor

De acordo com levantamento realizado pela consultoria Advance junto a mais de 1.300 empresas, em parceria com a Sky.One, março de 2020 mudou de maneira rápida e drástica a realidade de milhares de empresas.

A pesquisa, que contemplou a visão de executivos da área de TI, revelou que os projetos de transformação digital aumentaram cerca de três vezes nas companhias brasileiras, transformando a crise decorrente da pandemia da covid-19 em oportunidade.

Os executivos tiveram de repensar seu modelo de negócio, em termos de marketing, vendas, operação e entrega, para conseguirem sobreviver à nova realidade.

Nesse contexto, muitas organizações apressaram a migração de suas estruturas para cloud, hoje o principal habilitador deste processo de inovação das empresas.

Segundo a mesma pesquisa, cerca de 20% dos empresários apressaram-se a adotar a solução em nuvem, decorrente das novas demandas que surgiram.

Ou seja, “já que” temos de nos adaptar, vamos aproveitar e fazer isto de maneira a transformar a crise em oportunidade.

Transformação digital nas empresas

Ricardo Brandão, da Sky.One / Divulgação

A transformação digital nas empresas é um movimento que vem ocorrendo há algum tempo, mas a irrupção da pandemia tornou-se um grande impulsionador e acelerador deste processo.

A tecnologia neste contexto passou a ocupar um papel ainda mais estratégico, uma vez que representa um termômetro do nível de performance de um negócio, que para sobreviver à realidade atual, precisou considerar mudanças no relacionamento com os clientes, no perfil de compra – que migrou do “offline to online”-, além de promover mudanças internas para manter a própria operação da empresa funcionando.

O momento atual de transformação digital pode ser entendido também como a interconexão entre todos os tipos de aplicações.

Ao falarmos do processo de digitalização de uma empresa, um dos objetivos iniciais é a migração do modelo “on premise” para cloud, começando pelos ERPs, que são o coração de todas as corporações.

Isto porque é no ERP que se concentra as informações de faturamento e transação dos clientes, conectado-as a outros sistemas de marketing, vendas e pós-venda e garantindo assim, que outras áreas da empresa tenham dados reais sobre seus clientes.

Dessa forma, os principais passos de uma companhia para transformação digital são: colocar seu ERP em nuvem, integrar os sistemas, e, por fim, inovar-se constantemente, aprimorando o que existe e lançando novas soluções para o mercado. 

Inovação começa na nuvem

Posso afirmar com toda certeza que não é possível avançar com a transformação digital e a interconexão com novos negócios tendo dados desconectados.

Então, o primeiro passo é estar em cloud.

O segundo é criar a consciência de que o perfil do consumidor é volátil.

Por isso, as empresas precisam educarem-se no sentido de prover uma tecnologia estratégica que traga valor ao negócio.

A área de TI deixou de ser uma mantenedora dos equipamentos e softwares e tornou-se uma área de inovação capaz de trazer as tecnologias necessárias para a sobrevivência em um mercado cada vez mais competitivo. 

É importante ressaltar que a aplicação de tecnologias emergentes e transformadoras, como internet das coisas (IoT), inteligência artificial, machine learning, só é possível caso a empresa conte com um ambiente estruturado de maneira organizada e sistêmica.

Principais desafios

Não é fácil adaptar-se ao “novo normal” e cada segmento possui uma jornada distinta de transformação.

Setores como varejo e contábil, por exemplo, desenvolveram-se mais rapidamente com a pandemia.

No varejo, por conta do amadurecimento do e-commerce, vimos grandes empresas triplicarem as vendas e criarem marketplaces.

Já o setor de contabilidade, mesmo possuindo um perfil mais conservador e menos avançado no que diz respeito à digitalização, também cresceu significativamente, caso contrário, poderia ser difícil sobreviver à crise.

O fato é que a transformação digital é imprescindível para todos os setores e tipos de empresas.

Quanto menor a empresa, mais em cloud ela deve estar, pois supostamente tem menos recursos para investir em TI interno.

E o simples fato de migrar para a cloud, que é o grande habilitador dessa história, significa não apenas economizar no custo de TI, mas também abrir novas oportunidades para transformar de fato o negócio.

As empresas entenderam que a transformação digital é um caminho sem volta e o “novo normal” veio para ficar.

A pandemia apenas demandou medidas mais céleres.

O processo de retomada da economia já é uma realidade e vejo esse movimento de maneira otimista.

Agora é a hora de inovar e manter-se competitivo. 


Compartilhe
Publicação Anterior

Como está a transformação digital da pequena empresa

Próxima Publicação

‘Liberdade de expressão não é liberdade de viralização’

Veja também

A pandemia trouxe transformação em todos os âmbitos da vida humana/ Unsplash

Dez anos em um de transformação

Compartilhe

CompartilheQuando Juscelino Kubitschek foi eleito presidente em 1955, prometeu que faria o Brasil crescer “50 anos em 5”. Seu ousado Plano de Metas era baseado em 30 objetivos desenvolvimentistas a serem realizados em cinco anos […]


Compartilhe
Arnaldo Fontenele, da Polícia Civil do DF, e Cristiano Blanez, da NEC, falaram sobre multibiometria no Start Eldorado / Divulgação

Start Eldorado: Multibiometria melhora a segurança

Compartilhe

CompartilheA multibiometria melhora a segurança pública. Na quarta-feira (29/8), Arnaldo Fontenele, diretor do Instituto de Identificação da Polícia Civil do Distrito Federal, e Cristiano Blanez, gerente de Soluções Públicas da NEC Brasil, conversaram sobre o […]


Compartilhe