Como funciona o Sirius, acelerador de partículas brasileiro

Antônio José Roque, diretor do projeto Sirius e diretor-geral do CNPEM, conversou sobre Sirius
Compartilhe

O Sirius é um acelerador de partículas brasileiro, instalado em Campinas (SP), no Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM).

Sua primeira estação entrou em funcionamento neste ano, para pesquisa sobre o novo coronavírus.

Antônio José Roque, diretor do projeto Sirius e diretor-geral do CNPEM, conversou sobre Sirius com o jornalista Renato Cruz.

O vídeo faz parte da série Quem Inova, disponível no canal do inova.jor do YouTube.

Aplicações do Sirius

O acelerador de elétrons pode ser aplicado a estudos em várias áreas, desde materiais para construção até saúde.

“Sendo um equipamento que permite entender a estrutura mais fundamental de qualquer tipo de material, tem uma aplicação extremamente ampla”, explica Antônio José Roque, da CNPEM.

Para saber mais, assista ao vídeo da entrevista, e assine o canal do inova.jor no YouTube.


Compartilhe
Publicação Anterior

Cresce o mercado de data centers durante a pandemia

Próxima Publicação

Inovação é saída para o poder público se recuperar da crise

Veja também

A USP lidera a produção científica mundial sobre cosméticos / Juanedc/Creative Commons

Quais foram as 10 reportagens mais lidas de 2016

Compartilhe

CompartilheBig data, internet das coisas, expansão da banda larga e investimentos em startups foram alguns dos temas de tecnologia e inovação em destaque neste ano. Isso se reflete na relação das dez reportagens mais lidas de 2016 […]


Compartilhe
Comportamento do consumidor mudou durante a pandemia / Unsplash

Como reposicionar sua marca durante a pandemia

Compartilhe

CompartilheO isolamento social para conter o avanço da covid-19 incentivou o uso da internet. A mudança do comportamento dos consumidores exige que as empresas mudem suas estratégias de marketing digital. A startup Beyoung, que vende […]


Compartilhe