Intel aposta em carros autônomos e 5G

Maurício Ruiz, da Intel, falou sobre as estratégias da empresa para os próximos anos / Mariana Lima/inova.jor
Compartilhe

Maurício Ruiz, da Intel, falou sobre as estratégias da empresa para os próximos anos / Mariana Lima/inova.jor
Maurício Ruiz, da Intel, falou sobre as estratégias da empresa para os próximos anos / Mariana Lima/inova.jor

Maior fabricante de microprocessadores do mundo, a Intel deve começar a apostar fortemente em carros autônomos, inteligência artificial, 5G e realidade combinada a partir de 2017.
Para soluções de carros inteligentes, a empresa de tecnologia pretende investir US$ 250 milhões por ano, segundo Maurício Ruiz, diretor geral da Intel no Brasil.
O novo tipo de veículo está no topo da lista de uma série de dispositivos conectados que estão no radar da empresa. Óculos inteligentes e tênis conectados são outros exemplos.
A aposta de uso em larga escala dos carros autônomos é alta para a empresa. Segundo Ruiz, a estimava é que em 2021 já exista uma grande frota desses automóveis circulando pelas grandes cidades.
“Estamos apostando em uma tecnologia que seja aplicável. É claro que hoje o valor desses dispositivos, por conta dos altos investimentos, são possíveis apenas para um público premium. Mas a nossa intenção é massificar a tecnologia”, disse.

Inteligência artificial

Disponibilizar em larga escala e a um preço acessível a maioria da população também é a aposta da Intel para inteligência artificial.
Para isso, a multinacional tem comprado várias companhias menores que possuem soluções nessa tecnologia.
A realidade combinada é outra aposta da empresa que já tem utilizado a técnica no Alloy, seu projeto de games. A tecnologia mescla elementos da realidade virtual e da real, que permitem que o usuário interaja com o ambiente.
“Com óculos de realidade virtual, é possível que o jogador use o próprio corpo para interagir. Se no jogo ele estiver de frente para uma porta, poderá usar a mão para abri-la, tornando a experiência mais real”, disse, acrescentando que o mercado de games será um dos focos da empresa para o Brasil no próximo ano.

Comunicações móveis

O 5G é a tecnologia que ocupa um dos postos mais estratégicos para Intel nos próximos anos. Segundo Ruiz, várias equipes de softwares e hardwares estão focadas em soluções para esse tipo de inovação.
“O 5G está para a internet das coisas assim como 4G estava para os smartphones. Será a tecnologia que vai liberar todo o potencial de conectividade que precisamos para isso. Mas é que claro que não significa que vamos esperar o 5G acontecer para apostarmos em internet das coisas”, afirmou.

Retomada do mercado

A expectativa do IDC de crescimento de 5% na venda de computadores também animou as expectativas da empresa para o mercado brasileiro.
Para o diretor geral da Intel Brasil, a retomada na economia é um dos principais fatores que devem impulsionar a retomada do crescimento de vendas de computadores.
“Em caso da economia não melhorar como o previsto, estudamos criar facilidades para o consumidor para continuar impulsionando esse crescimento de vendas de computadores”, completou.
A estimativa da Intel é que existam 30 milhões de computadores defasados no Brasil e que devem ser trocados em 2017.


Compartilhe
Previous Article

Como as universidades podem ser alavancas de inovação

Next Article

Falta de investimento pode comprometer internet no Brasil

Veja também

Douglas Brito, da Avantia, Edson Matos, da Elissa Village, e Silvio Juppa Jr., da Blanik, falam sobre visão computacional no inova.jor cast

Como a visão computacional ajuda a proteger idosos

Compartilhe

CompartilheA visão computacional pode ajudar a garantir a segurança de idosos. Douglas Brito, gerente comercial da Avantia, Edson Matos, CEO do Elissa Village, e Silvio Juppa Júnior, consultor de implantação da Blanik, conversam sobre monitoramento […]


Compartilhe