O que significa o pedido de recuperação judicial da Oi

Com dívida de R$ 65,4 bilhões, a Oi entrou ontem com pedido de recuperação judicial / Pablo Gonzalez/Creative Commons
Compartilhe

Com dívida de R$ 65,4 bilhões, a Oi entrou ontem com pedido de recuperação judicial / Pablo Gonzalez/Creative Commons
Com dívida de R$ 65,4 bilhões, a Oi entrou ontem com pedido de recuperação judicial / Pablo Gonzalez/Creative Commons

A Oi é a concessionária de telefonia fixa em todos os Estados, menos em São Paulo, e é a quarta maior operadora de celular do País. Ontem (20/6), entrou com um pedido de recuperação judicial, declarando uma dívida de R$ 65,4 bilhões.
Mas quais são os efeitos desse pedido? Ele mostra, antes de tudo, como o Brasil carece de uma política de telecomunicações. A Oi é responsável por oferecer o serviço básico de telefonia para uma população de 161,3 milhões de pessoas.
Caso tenho problemas para atender o mercado, o governo é obrigado a assumir sua operação. Ou a encontrar outra empresa que assuma.
Alguns analistas têm dito que o pedido de recuperação judicial da Oi, o maior da história, não prejudica a prestação de serviços. Mas a verdade é que, mesmo antes do pedido, a operação já vinha sendo prejudicada pela crise financeira da empresa.
A participação da Oi no mercado de banda larga fixa caiu de 27,3% no fim de 2014 para 24,6%, segundo a consultoria Teleco. Mesmo na telefonia fixa, a fatia da operadora passou de 35,8% no primeiro trimestre de 2015 para 34,4% no mesmo período deste ano.

Supertele nacional

Os problemas da Oi começaram com a compra da Brasil Telecom, em 2008. O negócio era proibido pelas regras do setor, pois uma concessionária não poderia adquirir outra, mas um decreto do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva permitiu o negócio.
Foi usado o discurso de “campeões nacionais” para justificar a mudança de regras. A Oi seria uma operadora brasileira capaz de competir com gigantes internacionais como Telefónica e América Móvil. Mas nunca foi.
Na realidade, chamar a operadora de “supertele nacional” foi somente uma tentativa de justificar com nacionalismo a autorização da união das concessionárias.
A fusão com a Portugal Telecom em 2013, que ajudaria a reduzir o endividamento, só serviu para aprofundar a crise. Mais uma vez, o discurso foi de se criar uma “gigante lusófona” para competir no mercado internacional. Mais uma vez não deu certo.
A Oi deve cerca de R$ 12 bilhões aos bancos estatais (BNDES, Bando do Brasil e Caixa Econômica Federal). Além disso, o BNDES também é acionista da Oi.
Mas a prejuízo do País com esse caso é muito maior do que esse. Como concessionária, a Oi, apesar de privada, é ferramenta de políticas públicas. Ela deveria ajudar a popularizar os serviços de telecomunicações, como a banda larga.
Um dos motivos para a desaceleração do mercado de internet rápida nos últimos anos é a crise da Oi. Isso tira competitividade das empresas brasileiras e do País como um todo.
Os acessos de banda larga fixa aumentaram 4,9% nos 12 meses encerrados em abril deste ano. No mesmo mês de 2015, o crescimento anual havia sido de 7,5%.


Compartilhe
Publicação Anterior

Cristina Palmaka, da SAP, fala sobre internet das coisas

Próxima Publicação

TV paga aposta no vídeo sob demanda

Veja também

Maioria dos jovens brasileiros preferiria ter um negócio próprio / Renato Cruz/inova.jor

Por que o empreendedorismo atrai os jovens

Compartilhe

Compartilhe  Mais do que uma forma de ganhar dinheiro, os jovens brasileiros veem no empreendedorismo uma maneira de ter atitude, iniciativa e criatividade. Essa foi uma das conclusões da pesquisa Juventude Conectada, desenvolvida pela Fundação […]


Compartilhe