TV paga aposta no vídeo sob demanda

Streaming: Apesar de queda no número de assinantes, brasileiro passa mais tempo em frente à TV / cristian/Creative Commons
Compartilhe

TV paga: Apesar de queda no número de assinantes, brasileiro passa mais tempo em frente à TV / cristian/Creative Commons
Apesar de queda no número de assinantes, brasileiro passa mais tempo em frente à TV / cristian/Creative Commons

O uso de programação não linear, ou seja, que pode ser vistos no horário desejado pelo cliente, é uma das apostas da TV paga do Brasil para disputar mercado com os serviços de streaming.
“Entendemos que o grande desafio da industria são os novos consumidores. E isso vai muito além de pensarmos em novos modelos de negócio”, afirma Oscar Simões, presidente da Associação Brasileira de Televisão por Assinatura (ABTA).
Em 2016, o número de assinantes de TV deve apresentar queda pelo segundo ano consecutivo. De acordo com a ABTA, a perda está relacionada aos reflexos da crise econômica e pouco tem a ver com o modelo de negócio do setor.
Nos últimos aos, têm aumentado a procura por serviços de streaming no País, como o Netflix. Ao mesmo tempo, a procura pelo serviço de TV paga começou a cair.
No fim de 2015, o Brasil possuía 19,11 mil assinantes. No ano anterior, o número tinha fechado em 19,52 mil. Até abril deste ano, segundo a ABTA, apenas 18,9 mil brasileiros pagavam pelo serviço.
“Acreditamos que o fim do poço está próximo, e que a partir do mês de julho não o número de assinatura ficará estável, apresentando uma pequena melhora. A diminuição aconteceu por conta da crise, do desemprego e instabilidade econômica das pessoas”, diz Simões.

Impostos

Outra justificativa apresentada foi o aumento de ICMS em alguns Estados. No Amapá, por exemplo, o número de assinantes despencou em 16,9% em abril deste ano, quando comparado ao mesmo período do ano passado.
“Com exceção de Rondônia, percebemos que há uma ligação entre a diminuição dos assinantes e o aumento do ICMS na região. Conversamos com os governadores para tentar reverter isso”, explica o executivo.
Apesar da crise, os dados de audiência são os maiores dos últimos anos. Segundo a pesquisa realizada pelo Ibope e apresentada pela associação, nos últimos três anos, o alcance da TV paga dobrou no Brasil.
A quantidade de horas gastas em frente a televisão por assinatura também aumentou. O brasileiro assiste, em média, 3h07min da programação de um canal fechado por dia. Em 2010, o tempo médio era de 2h23min.
“Isso aconteceu porque as pessoas aprenderam a riqueza de ter muita informação em casa. Essa característica é muito forte em cidades mais afastadas do centro”, afirma Oliveira.
Estudo apresentado pela ABTA dá conta de que a TV por assinatura é uma das principais fontes de lazer para 74% dos entrevistados. Setenta e nove por cento dos pesquisados consideram a televisão uma ferramenta importante de acesso à cultura.
De 29 de junho a 1.º de julho, acontece em São Paulo a feira e congresso ABTA 2016.


Compartilhe
Previous Article

O que significa o pedido de recuperação judicial da Oi

Next Article

Cinco entraves para ingressar no universo digital

Veja também

Hugo Baeta, da Cisco, Rubens Milito, da Huawei, e João Moura, da TelComp. falam sobre investimento em telecomunicações

Como incentivar investimentos em telecomunicações

Compartilhe

Compartilhe O inova.jor promoveu um debate sobre maneiras de elevar os investimentos em telecomunicações, com apoio da Associação Brasileira das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações Competitivas (TelComp). Participaram da conversa Hugo Baeta, diretor regional de operações da […]


Compartilhe