Qual é a estratégia da Huawei para smartphones no Brasil

A Huawei anunciou sua volta ao mercado brasileiro de smartphones / Divulgação
Compartilhe

A Huawei anunciou sua volta ao mercado brasileiro de smartphones / Divulgação
A Huawei anunciou sua volta ao mercado brasileiro de smartphones / Divulgação

A Huawei anunciou, na terça-feira (30/4), sua volta ao mercado brasileiro, depois de uma tentativa em 2015.

Ele chegou ao país com dois modelos. O principal, chamado P30 Pro, tem preço de referência de R$ 5,5 mil e chega para concorrer, principalmente, com o Samsung S10 e o iPhone X.

A faixa de aparelhos premium, que custam mais de R$ 3 mil, está entre as que mais crescem no Brasil, com alta de 22,2% no ano passado, segundo a consultoria IDC.

O outro modelo lançado nesta semana, chamado P30 Lite, tem preço de referência de R$ 2,5 mil.

“Queremos ajudar o Brasil na transformação digital”, comentou Wei Yao, CEO da fabricante chinesa no Brasil. “Nós estamos de volta”.

A entrada da Huawei difere, e muito, de sua investida anterior.

Em 2015, a empresa se arriscou no Brasil com o Ascend P7, um aparelho intermediário de R$ 1,5 mil que não conseguiu o destaque esperado no mercado.

No ano passado, chegou a ser noticiada uma parceria com a Positivo para o mercado brasileiro de smartphones, que não se concretizou.

“Nosso foco em produtos premium tem dado bons resultados ao redor do mundo”, disse José Nascimento, diretor de vendas da empresa. “Por isso, decidimos trazer nosso carro-chefe ao Brasil. Há mercado”.

Zoom de 50 vezes

O P30 Pro conta com quatro câmeras, leitor de digitais na tela e bateria de 4200 mAh.

Nos testes feitos pelo inova.jor, o destaque foram as câmeras, que podem até levantar debates sobre privacidade. Afinal, a imagem continua nítida em zoom digital de 50 vezes.

No mundo, a Huawei já é a segunda maior fabricante de smartphones, tendo registrado crescimento maior que os concorrentes no primeiro trimestre, segundo a IDC.

A participação da Huawei ficou em 19% entre janeiro e março deste ano, o que significou crescimento 50,3% na comparação com o mesmo período de 2018.

A Samsung continua na frente, com 23,1% do mercado, enquanto a Apple caiu para a terceira colocação, com 11,7%.

A Huawei passou a Apple e ficou em segundo lugar no mercado mundial de smartphones, segundo o IDC


Compartilhe
Previous Article

Samsung oferece cursos gratuitos sobre internet das coisas

Next Article

Programa Nexos quer aproximar empresas maiores de startups

Veja também

Vídeo está em risco com novos limites na banda larga / Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Como os limites à banda larga vão atrapalhar sua vida

Compartilhe

CompartilheDifícil lembrar de algum setor, além das telecomunicações, em que demanda crescente é considerada problema. O tráfego de internet têm avançado rapidamente e a solução encontrada pelas principais empresas do setor foi limitar o uso da […]


Compartilhe
Gustavo Assunção, da Samsung, quer colocar demonstrações de automação residencial no varejo / Renato Cruz/inova.jor

Internet das coisas começa a chegar às residências

Compartilhe

CompartilheHá 10 anos, fazer automação residencial era muito caro e tecnicamente difícil. Os preços vêm caindo nos últimos anos, mas a complexidade de instalação costuma ser alta. Fabricantes de eletroeletrônicos buscam resolver esse problema. Um […]


Compartilhe