Qual é o caminho da digitalização na Soluções Usiminas

Compartilhe

Como a Soluções Usiminas está inovando na indústria
Planta da Soluções Usiminas, que busca inovar na indústria do aço / Divulgação

Inteligência artificial, blockchain e internet das coisas são algumas das tecnologias que tem tomado conta dos processos da Soluções Usiminas.

Desenvolvedora de produtos e serviços de valor agregado a partir dos aços fabricados pela Usiminas, a empresa vive a transformação digital.

Afinal, mais do que levar inovação para processos tradicionais, a companhia está reinventando a forma como lida com aço em seu dia a dia.

“Buscamos ter uma mentalidade coletiva de inovação”, disse Ascanio Merrighi de Figueiredo Silva, diretor executivo da Soluções Usiminas.

“Por isso, basicamente, temos um grande propósito de transformação no dia a dia da Soluções Usiminas.”

Para isso, a empresa busca estar perto do colaborador com workshops e plataformas de negócios. O objetivo é conscientizar todos da transformação.

“Nosso objetivo é inserir e colocar a mentalidade da inovação que são características desse novo movimento. Construir soluções em conjunto”.

Transformação na Usiminas

Ascanio Merrighi, da Soluções Usiminas / Divulgação
Ascanio Merrighi, da Soluções Usiminas / Divulgação

São vários os processos inovadores sendo desenvolvidos nas seis plantas da empresa em Minas Gerais, São Paulo, Pernambuco e Rio Grande do Sul.

Primeiramente, destaca-se a tecnologia da visão inteligente, em fase de implementação.

O objetivo é identificar defeitos em chapas por meio de uma inteligência artificial.

Ela registra imagens de produtos com defeitos em um banco de dados e aplica seu conhecimento no processo de produção, substituindo a análise artesanal.

Assim, com esse processo, a empresa ganha em escala e evita perdas.

“Estamos desenvolvendo essa tecnologia, junto com o Instituto de Inovação Senai de São Leopoldo, no Rio Grande do Sul”, comenta Ascanio.

Além disso, a Soluções Usiminas está desenvolvendo um sistema de rastreabilidade por blockchain.

A ideia é que todos os componentes da empresa passem a ser monitoradas para que os materiais sejam encontrados de forma rápida e eficiente.

“É uma tecnologia que permite melhor logística. Teremos conhecimento sobre qual o melhor momento para carregar os caminhões, por exemplo”, afirma o executivo.

Por fim, a empresa destaca o uso de internet das coisas (IoT) na linha de produção.

Será possível acompanhar em tempo real, via smartphone, o funcionamento dos equipamentos.

Assim, isso facilita o processo preditivo, reduzindo custos de equipe e manutenção, com aumento da segurança dos colaboradores nas fábricas.

Destaque

Com essa transformação digital acontecendo na indústria do aço, a Soluções Usiminas começa a ter um vislumbre de como será a indústria no futuro.

Primeiramente, Ascanio destaca que este é um momento crucial no setor.

“Ou você atropela ou é atropelado. Não é uma opção, é uma obrigação”, diz o executivo da companhia.

Mas, segundo ele, há um fator que dificulta toda essa transformação digital: a instabilidade de tecnologias.

“Tem coisas que nem sabemos qual será a relação com nosso negócio, mas se tem alguma gota que nos coloca perto dessa tecnologia, ficamos por perto”, afirma Ascanio.

“Tudo vai mudar e mudar rapidamente. Não sabemos como, mas vai. E queremos seguir essa tendência”.


Compartilhe
Publicação Anterior

Amdocs: Como o streaming muda o perfil de consumo no Brasil

Próxima Publicação

Embracon lança programa para apoiar startups

Veja também

Daniel Gonzales, Renato Cruz, Leandro Oliveira e Mauricio Mazza conversam sobre Indústria 4.0 / Divulgação

Start Eldorado: Como está a Indústria 4.0 no Brasil

Compartilhe

CompartilheA Indústria 4.0 traz torna a manufatura mais eficiente. Na quarta-feira (9/5), conversei sobre o tema com Mauricio Mazza, diretor de tecnologia da informação da Mercedes-Benz, e Leandro Oliveira, vice-presidente da Voith Digital Solutions, no programa Start […]


Compartilhe
O Labelectron, da Fundação Certi, combina pesquisa e fabricação de produtos / Renato Cruz/inova.jor

Como a indústria brasileira pode competir com a China

Compartilhe

CompartilheFLORIANÓPOLIS A crise da indústria brasileira começou antes da crise. O faturamento real do setor foi, em maio deste ano, o pior desde fevereiro de 2009. A participação dos produtos manufaturados nas exportações brasileiras, que havia chegado […]


Compartilhe