‘Brasil precisa de mais conteúdo de alta qualidade’

Juelinton Silveira (d.), da Huawei, destaca a importância do vídeo via internet / Divulgação
Compartilhe

Juelinton Silveira, da Huawei, destaca a importância do vídeo via internet / Divulgação
Juelinton Silveira (d.), da Huawei, destaca a importância do vídeo via internet / Divulgação

O Brasil precisa avançar na cobertura de banda larga, tanto fixa quanto móvel, e na oferta de conteúdo de alta qualidade nos serviços via internet, com resolução 4K.

O avanço nessas áreas gera crescimento econômico, além de trazer competitividade às empresas e educação e entretenimento de qualidade à população.

A seguir, trechos da entrevista com Juelinton Silveira, diretor de Relações Públicas e Comunicação da Huawei, sobre esses temas.

O que pode ser feito para ampliar a banda larga por aqui?

O Brasil ainda carece de muita cobertura de banda larga. E, quando falo de banda larga, pode ser fixa ou móvel.

Gostaria de comentar basicamente dois pontos. Um dos pontos é que, para implantar uma antena de celular numa cidade, é preciso tirar várias licenças.

Então, a operadora precisa ir à prefeitura, tirar várias licenças e aplicá-las. No entanto, temos 5.570 municípios e cada cidade tem um tipo de regulamentação.

Isso faz com que seja muito complexo conseguir tirar licenças ou ter um único processo na empresa parar tirar essas licenças nas prefeituras.

O segundo ponto é o seguinte: o Brasil tem hoje pouco conteúdo de alta qualidade, 4K ou 8K, produzido para serviços via internet.

Quando existe oferta maior de conteúdo, aumenta drasticamente a necessidade de utilizar a banda larga.

Qual é a importância do vídeo nessa demanda?

Hoje, mais ou menos 68% de todo o tráfego de internet é vídeo. Temos um estudo que aponta que daqui a seis anos, lá por 2025, esse volume vai ser de quase 90%.

A infraestrutura de telecomunicações tem de aumentar, tem de ter mais cobertura, mas também tem de ser mais robusta, para poder prover internet e conseguir entregar esse conteúdo para todas as pessoas.

Como a ampliação da banda larga pode gerar negócios?

Falando novamente desse estudo, em 2025 todas coisas estarão conectadas e serão inteligentes.

Teremos inteligência artificial, criação de conteúdo para realidade virtual e realidade aumentada e muitos sensores

O desenvolvimento da internet das coisas é prova disso. Todos os sensores e os dispositivos que estarão conectados à internet gerando dados têm de ter conexão.

Ao conectarmos tudo isso aí – 100 bilhões de dispositivos estarão conectados em 2025 –, surgem novas indústrias, novos modelos de negócio que ainda não conhecemos.

A nova economia criada chegará a mais ou menos US$ 23 trilhões, uma economia que será baseada em inovação em massa.

Alguns países já trabalham com 8K. Como você vê o futuro desse mercado?

O Brasil carece muito desse conteúdo de alta qualidade.

Estamos aumentando esse conteúdo. Mas, se compararmos a países como a China, estamos muito atrás. Se ficarmos atrás no conteúdo, ficamos atrás na conectividade da internet.

Hoje, o Brasil está virando a chave para o 4K.

No F4 Summit (evento realizado no mês passado pela Huawei), tivemos a apresentação de vários produtores de conteúdo e alguns deles comentaram que o 4K ainda está virando a chave.

Agora estamos chegando ao 4K. E alguns países já usam 8K. Alguns países já estão desenvolvendo outro tipo de conteúdo.

Quando falamos em realidade aumentada e realidade virtual, a capacidade de banda larga necessária é muito maior.

Se for um conteúdo 4K de realidade virtual, a demanda de capacidade é muito maior.

É algo muito importante e estamos indo numa direção muito boa, de criação de conteúdos de ultraqualidade, de qualidade superior.


Compartilhe
Previous Article

Quais são os planos da China para inteligência artificial

Next Article

Como criar significado num mundo repleto de ideias

Veja também

Índice de confiança em tecnologia e instituições financeiras deve alavancar mercado de fintechs / Jason Howie / Flickr / Creative Commons

4G alcança 56,1 milhões de acessos no Brasil

Compartilhe

CompartilheO total de acessos móveis com tecnologia de quarta geração (4G) chegou a 56,1 milhões no Brasil em novembro, o que representou crescimento de 148% sobre o mesmo mês de 2015, segundo a Associação Brasileira de Telecomunicações […]


Compartilhe
Christopher Klotzbach diretor da Flurry fala sobre mobile 2.0 / Mariana Lima / inova.jor

Para onde vai o mercado de aplicativos

Compartilhe

CompartilhePara Christopher Klotzbach, diretor da Flurry Analytics, a experiência dos usuários de aplicativos entra numa nova fase, que ele chama de Mobile 2.0. O executivo tem uma visão privilegiada desse mercado. Pertencente ao Yahoo, a Flurry […]


Compartilhe
Celulares começam a ser capazes de traduzir e de reconhecer imagens, mesmo desconectados / Jorge Gonzalez/Creative Commons

Inteligência artificial chega às bordas das redes

Compartilhe

CompartilheAtualmente, serviços baseados em inteligência artificial rodam em grandes centros de dados, acessados por nossos celulares e computadores. Mas esse cenário começa a mudar. Segundo previsão da consultoria Deloitte, neste ano, um em cada cinco smartphones […]


Compartilhe