Por que ‘Twin Peaks: o retorno’ é o filme do ano

Compartilhe

Depois do streaming, vídeo transmitido via internet, ficou difícil definir o que seja televisão. E também o que seja cinema.
A Cahiers du Cinéma escolheu Twin Peaks: o retorno como melhor filme do ano. O seriado também ficou em segundo lugar na lista de melhores filmes da Sight & Sound, do British Film Institute.
A série foi toda dirigida por David Lynch, como se fosse um longa-metragem de quase 18 horas.
Diante da questão de Twin Peaks ser ou não cinema, o Museu de Arte Moderna de Nova York (Moma, na sigla em inglês) decidiu exibir todos os episódios na tela grande, a partir de 5 de janeiro.
Abaixo, minha lista de melhores filmes de 2017, começando com Twin Peaks.
Alguns títulos foram lançados em 2016 no exterior, mas chegaram ao Brasil somente neste ano,

1. Twin Peaks: o retorno – David Lynch

Twin Peaks: o retorno - David Lynch
Você nunca viu nada parecido com Twin Peaks: o retorno. Para o bem e para o mal.
Lançado 26 anos depois da segunda temporada, o seriado pode ser considerado ainda mais revolucionário que o original.
Aos 71 anos, David Lynch retoma temas de toda a sua carreira, e faz um trabalho mais próximo de Império dos Sonhos que do primeiro Twin Peaks.
O oitavo episódio é o grande exemplo de como David Lynch mudou a história da televisão (e do cinema) mais uma vez.

2. Ao cair da noite – Trey Edward Shults

Ao cair da noite - Trey Edward Shults / Reprodução
O primeiro trabalho de Trey Edward Shults era um drama familiar chamado Krisha. Apesar de este segundo ser um filme de terror, a dinâmica é bem parecida.
Ele vai construindo tensão entre os personagens, a partir do que é dito e do que é não dito, de pequenos gestos que vão se acumulando, até que chega o momento da explosão.
Em Ao cair da noite, uma doença incurável ameaça a humanidade, e um casal mora isolado com o filho adolescente. A chegada de uma outra família vai tornar a vida mais difícil.
É um filme cheio de significados em tempos de intolerância e xenofobia.

3. Raw – Julia Ducournau

Raw - Julia Ducornau / Divulgação
Uma jovem vegetariana é obrigada a comer carne crua durante o trote da faculdade, e passa a sentir um desejo carnívoro incontrolável.
O filme de estreia da cineasta francesa Julia Ducournau trata de canibalismo de maneira original. Também mostra como é impossível fugir de quem se é de verdade, apesar da pressão social.

4. Blade Runner 2049 – Denis Villeneuve

Blade Runner 2049 - Denis Villeneuve / Reprodução
A responsabilidade do canadense Denis Villeneuve era grande, mesmo vindo da ótima sequência de filmes formada por O homem duplicado, Sicário e A chegada.
Blade Runner 2049 não faz feio frente ao clássico de 1982. Mantém questionamentos originais do escritor Philip K. Dick e cria imagens únicas, como uma Las Vegas deserta e coberta de areia.
Com a diferença de que estamos ainda mais próximos do futuro mostrado na tela.

5. Bom comportamento – Josh & Benny Safdie

Bom Comportamento - Benny & Josh Safdie
Robert Pattinson é um grande ator. Pelo menos neste filme.
Ele interpreta um pequeno criminoso que passa a noite tentando tirar da cadeia o irmão, que tem problemas mentais.
O irmão é interpretado por Benny Safdie, um dos diretores do filme. Benny e Josh fizeram um filme engraçado e violento.
O protagonista interpretado por Pattinson, que não é dos mais espertos, está em constante movimento.

6. Poesia sem fim – Alejandro Jodorowsky

Poesia Sem Fim - Alejandro Jodorowsky / Reprodução
O chileno Alejandro Jodorowsky é uma lenda viva dos filmes de meia-noite, por longa-metragens como El Topo e A montanha sagrada.
No autobiográfico Poesia sem fim, ele cria imagens únicas com truques cenográficos muito simples.
Dois de seus filhos trabalham como atores, e o próprio Jodorowsky interpreta a si mesmo.
O diretor também é conhecido pelo projeto de filmar Duna, que não se concretizou, e pelos roteiros da série em quadrinhos Incal, desenhada pelo mestre francês Moebius.

7. Silêncio – Martin Scorsese

Silêncio - Martin Scorsese / Divulgação
Silêncio pode ser visto como um filme de quase três horas sobre a fé católica. Mostra as dificuldades enfrentadas pelos jesuítas no Japão do século 17.
Dois jovens padres entram no país para resgatar seu mestre, que, segundo boatos, cometeu apostasia (renegou sua fé) e converteu-se ao budismo.
Também é possível ver Silêncio como o retrato de um choque cultural.
Os cristãos são obrigados a pisar num pedaço de madeira com a imagem de Cristo ou da Virgem Maria, como “mera formalidade”.
Na sociedade japonesa, no entanto, não existe “mera formalidade”.  O que há é uma relação profunda entre aparência e essência.

8. Thelma – Joachim Trier

Thelma - Joachim Trier / Reprodução
Thelma, do norueguês Joachim Trier, foi comparada a Carrie, a estranha. Acho que o filme está mais próximo de Raw, que também está nessa lista.
Assim como Raw, o longa-metragem fala dos problemas que surgem quando alguém tenta negar sua própria identidade. Neste caso, por pressão da família.
Recém-chegada à universidade, a protagonista se apaixona por uma colega, ao mesmo tempo em que seus poderes sobrenaturais começam a se manifestar, sem que ela consiga controlá-los.
A protagonista percebe que a repressão que sofre tem raízes históricas, que passam pela perseguição às bruxas há séculos na Europa e pelo tratamento da histeria no século 19.

9. Logan – James Mangold

Logan - James Mangold / Reprodução
Apesar de Mulher-Maravilha e de Thor: Ragnarok, o melhor filme de super-herói do ano é Logan. Hugh Jackman dá adeus ao Wolverine quase que num western outonal.
Seu personagem já não é imortal e o professor Xavier está ficando senil, uma situação particularmente perigosa, já que ele é o telepata mais poderoso do mundo.

10. Jim & Andy – Chris Smith

Jim & Andy - Chris Smith / Reprodução
Quando começou a fazer sucesso, Jim Carrey foi acusado de ser um imitador do Jerry Lewis. Nunca tive problemas com isso. Gostei muito de filmes como O mentiroso e Debi & Lóide.
Com o tempo, Carrey começou a se esforçar para ser um ator sério. O primeiro passo foi O show de Truman. No ano seguinte, ele fez O mundo de Andy, cinebiografia do humorista Andy Kaufman.
O documentário Jim & Andy mostra os bastidores desse filme, combinando imagens captadas na época com uma entrevista recente de Carrey.
Na filmagem de bastidores, Carrey nunca sai do personagem. Ou é Andy Kaufman ou Tony Clifton (alter ego de Kaufman).
O resultado é desconcertante. O diretor Milos Forman parece desesperado. Carrey confessa que queria fugir da própria vida e é como se víssemos sua personalidade implodir.
Fica a impressão de que ele não se recuperou até hoje.


Compartilhe
Publicação Anterior

iDexo busca startups para programa de inovação

Próxima Publicação

‘Acreditamos que o Brasil está além da crise’

Veja também

Em janeiro, 105,40 mil pessoas deixaram de ser assinantes de TV paga no Brasil / D. Reichardt / Creative Commons

TV paga perde 105 mil assinantes em janeiro

Compartilhe

CompartilheNo mês passado, 105,4 mil pessoas deixaram de ser assinantes de TV paga no Brasil. Os dados são da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Conforme a Anatel, apenas a Oi e a Cabo apresentaram crescimento no número […]


Compartilhe