Como as fake news usam a estratégia de dividir para conquistar

Fake news fomentam polarização da sociedade para obter resultados políticos / Unsplash
Compartilhe

Fake news fomentam polarização da sociedade para obter resultados políticos / Unsplash
Fake news fomentam polarização da sociedade para obter resultados políticos / Unsplash

A experiência dos Estados Unidos nas eleições presidenciais de 2016 mostram como campanhas de notícias falsas fomentaram temas polêmicos para exacerbar a divisão na opinião pública daquele país e tirar proveito disso.

Artigo publicado na New York Review of Books, destacou que, em 2016, 126 milhões de norte-americanos viram no Facebook material gerado por agentes russos.

Naquele período, segundo Philip N. Howard, professor de Oxford, eleitores distribuíram no Twitter praticamente de fake news e de notícias produzidas por profissionais.

Agentes russos criaram centenas de contas que se passavam por norte-americanos e simulavam interesses e hobbies, além de obedecer a horários de publicação e ao calendário de feriados dos Estados Unidos.

Eles também operavam a partir de servidores dos EUA, para dificultar sua identificação.

Dividir e conquistar

Os agentes russos também criaram grupos com centenas de milhares de membros, que refletiam temas que causam polarização, como raça e religião.

Ben Buchanan, professor da Universidade de Georgetown, enumerou alguns nomes de grupos criados por agentes russos:

  • Fronteiras Seguras,
  • Blacktivist (contração de ativista negro),
  • Mulçumanos Unidos da América,
  • Exército de Jesus, e
  • Coração do Texas.

Os gerentes da operação instruíram os agentes a “usar qualquer oportunidade para criticar Hillary e o resto (com exceção de Sanders e Trump – nós os apoiamos)”.

Os russos também compraram propaganda nas mídias sociais, incluindo pelo menos 3,5 mil anúncios no Facebook.

Para isso, eles roubaram identidades de vários cidadãos norte-americanos, para que não fosse descoberta a operação ilegal.

Além de interferir no resultado das eleições, o objetivo era fomentar a divisão da sociedade norte-americana.

Por exemplo, um dos grupos controlados pelos russos criou uma manifestação chamada “Salve o conhecimento islâmico” em Houston, enquanto outro organizou uma resposta chamada “Pare com a islamização do Texas”.

Grupos governamentais

O professor Howard, de Oxford, identificou 70 governos que têm equipes de desinformação para as redes sociais, com o objetivo de espalhar mentiras ou esconder a verdade.

A China emprega 2 milhões de pessoas para produzir 448 milhões de publicações por ano e o Vietnã treinou 10 mil estudantes para defender o governo nas redes.

O ex-presidente mexicano Enrique Peña Nieto tinha 75 mil contas de robôs para promovê-lo no Twitter.

Na Rússia, quase metade das publicações no Twitter são feitas por robôs.

Dessa forma, as notícias falsas normalmente fazem parte de campanhas com objetivos específicos, que tentam passar por movimento espontâneo.

Para o professor Howard, as fake news um sintoma da doença que é o “monopólio da informação” nas mãos de poucos gigantes do setor de tecnologia.

Por fim, o artigo do New York Review of Books teve como base três livros:

  • Active Measures: The Secret History of Disinformation and Political Warfare (Farrar, Straus and Giroux), de Thomas Rid;
  • The Hacker and the State: Cyber Attacks and the New Normal of Geopolitics (Harvard University Press), de Ben Buchanan; e
  • Lie Machines: How to Save Democracy from Troll Armies, Deceitful Robots, Junk News Operations, and Political Operatives (Yale University Press), de Philip N. Howard.


Compartilhe
Previous Article

Cyrela acelera transformação digital com startups

Next Article

Prêmio Alexa de Acessibilidade recebe inscrições

Veja também

O jornalista Renato Cruz comenta a notícia de que o Facebook e a Apple planejam investir US$ 1 bilhão em conteúdo exclusivo de vídeo no próximo ano

Por que o Facebook e a Apple querem ser a HBO

Compartilhe

Compartilhe Parece que as grandes empresas de tecnologia querem se tornar a HBO. O jornalista Renato Cruz comenta a notícia de que o Facebook e a Apple planejam investir US$ 1 bilhão em conteúdo exclusivo […]


Compartilhe
A Nintendo tentou colocar a realidade virtual no mercado há 20 anos, com o Virtual Boy, mas não deu certo

Quando a realidade virtual era o futuro da tecnologia

Compartilhe

CompartilheO pesquisador Jaron Lanier é conhecido hoje por ser autor de livros como Gadget: você não é um aplicativo e Bem-vindo ao futuro, em que propõe que mudemos a forma como nos relacionamos com a tecnologia. No século passado, […]


Compartilhe