Banco Inter quer ser o primeiro banco brasileiro 100% na nuvem

O Banco inter lançou recentemente o serviço de banco digital para pequenas e médias empresas / Renato Cruz/inova.jor
Compartilhe

O Banco inter lançou recentemente o serviço de banco digital para pequenas e médias empresas / Renato Cruz/inova.jor
O Banco inter lançou recentemente o serviço de banco digital para pequenas e médias empresas / Renato Cruz/inova.jor

O Banco Inter quer se tornar o primeiro banco brasileiro 100% na nuvem. Controlado pela família Menin, dona da incorporadora MRV, oferece contas digitais sem a cobrança de tarifa desde 2015.
“Como banco de varejo, já nascemos digitais”, afirma João Vitor Menin, presidente do Banco Inter. “Nunca chegamos a ter agência de rua.”
Sediado em Belo Horizonte, o Banco Inter (que até recentemente se chamava Intermedium) tem um projeto de migrar todos os seus servidores para a Amazon Web Services (AWS).
“Vamos ser o primeiro banco a estar 100% na nuvem no Brasil, até meados do ano que vem”, diz o executivo. “Já vamos migrar grande parte do nosso parque de servidores até o fim do ano.”
Executivos do banco têm se reunido com representantes da AWS e do Banco Central para adequar a operação à regulação brasileira. O projeto começou há cerca de seis meses.
A AWS informou que, além do Banco Inter, têm empresas de serviços financeiros como Nubank, Ebank, Capital One e Pacific Line que são seus clientes no Brasil.
Na Alemanha, o N26 foi o primeiro banco a estar 100% na AWS.

Parcerias

Cerca de 30% dos clientes do Banco Inter têm de 25 a 35 anos e 70% são do sexo masculino. Do ponto de vista geográfico, apesar da concentração nas cidades maiores, existem clientes em 4 mil dos 5,5 mil municípios brasileiros.
“O propósito do banco é a democratização bancária”, afirma o executivo de 35 anos.
O banco busca parcerias com outras empresas de serviços financeiros, incluindo fintechs.
“Nossa plataforma é aberta”, aponta Menin. “Temos alguns produtos e serviços que são nossos flagships, como crédito imobiliário. Mas vamos lançar consórcio, que não é do Banco Inter. Já oferecemos seguros, mas não temos seguradora.”
Em junho, o banco tinha 184,7 mil clientes, comparados a 20,4 mil no mesmo mês de 2016. A meta é chegar ao fim do ano com 350 mil clientes digitais e, no ano que vem, alcançar a marca de 1 milhão.
Recentemente, lançou um produto para pequenas e médias empresas, no qual espera ter 340 mil contas até o fim do ano.
Criado há 22 anos, o Banco Inter tem uma carteira de crédito imobiliário de cerca de R$ 2,4 bilhões, que corresponde a mais de 1% do segmento no País.

'O propósito do banco é a democratização bancária', afirma João Vitor Menin, do Banco Inter / Renato Cruz/inova.jor
‘O propósito do banco é a democratização bancária’, afirma João Vitor Menin, do Banco Inter / Renato Cruz/inova.jor


Compartilhe
Previous Article

Quando os robôs chegam ao serviço público

Next Article

Por que o setor de infraestrutura precisa de mais software

Veja também

Evelise Canali, da Mageda, e Pedro Lima, da AP Ponto, conversam sobre como ter sucesso na jornada da transformação digital no inova.jor cast

Pandemia acelera a transformação digital

Compartilhe

CompartilheA pandemia acelerou projetos relacionados à transformação digital. Evelise Canali, sócia fundadora da Mageda, e Pedro Lima, gerente de tecnologia da informação da AP Ponto, conversaram com o jornalista Renato Cruz, no inova.jor cast, sobre […]


Compartilhe