Como o tablet com teclado destacável pode salvar o mercado de PCs

Surface, da Microsoft, definiu categoria de tablet com tela destacável
Compartilhe

Surface, da Microsoft, definiu categoria de tablet com tela destacável
Surface, da Microsoft, definiu categoria de tablet com tela destacável / Mark Von Holden/Divulgação

Já faz um tempo que a venda de PCs vai mal. No ano passado, foram comercializadas 276,2 milhões de unidades em todo o mundo, uma queda de 10,5% sobre 2014, segundo a consultoria IDC. O mercado fechou abaixo de 300 milhões de unidades pela primeira vez desde 2008 e a queda foi a maior da história.
Apesar disso, os tablets com teclados destacáveis, como o Surface, da Microsoft, registraram alta no ano passado, mesmo a partir de uma base pequena. Eles não foram incluídos no total de vendas de PCs. Se as vendas desse tipo de máquina fossem somadas aos PCs,  a queda anual teria sido de 7,5%, no lugar de 10,5%.
Para este ano, a IDC prevê que o mercado de PCs vai diminuir 3,1%, sem os tablets com tela destacável. Com eles, o crescimento deve ficar entre 1% e 2%.
A Microsoft lançou o Surface em 2012, como uma forma de incentivar os fabricantes de PCs a lançarem equipamentos mais interessantes, principalmente para o mercado corporativo. Deu certo, pois empresas como HP, Dell e Asus colocaram no mercado dispositivos parecidos. Até a Apple seguiu o modelo, com seu iPad Pro.
É um formato que permite ao tablet substituir de verdade o microcomputador, principalmente para pessoas que precisam escrever textos, elaborar planilhas e criar apresentações.
Na semana passada, durante a CES 2016, feira de eletrônicos de Las Vegas, o principal lançamento de computador da Samsung foi um tablet com teclado destacável.
No ano fiscal encerrado em 30 de junho de 2015, a Microsoft registrou faturamento de US$ 888 milhões com a linha Surface, um avanço de 117% sobre o ano anterior.

Ranking

A chinesa Lenovo continuou em primeiro lugar entre os fabricantes de PCs em 2015, alcançando uma participação de mercado de 20,7%. Em segundo lugar, ficou a HP (19,4%), seguida da Dell (14,1%), Apple (7,5%) e da Acer (7,15%).

 


Compartilhe
Publicação Anterior

CES 2016: Internet das coisas ainda demora a acontecer

Próxima Publicação

Qual é o papel do governo na inovação dos Estados Unidos

Veja também

Ataque ao Ethereum Classic mostra que blockchain não é tão seguro / paul bica

Por que o blockchain não é imune a ataques

Compartilhe

CompartilheO blockchain, tecnologia por trás de criptomoedas como o bitcoin, tem sido apontado como imune a ataques. Mas fatos recentes, discutidos em reportagem da Technology Review, mostram que não é bem assim. No mês passado, […]


Compartilhe