Huawei: ‘Chegamos ao momento de conectar o campo’

Juelinton Silveira, diretor de Comunicação e Relações com o Governo da Huawei Brasil, conversa com Renato Cruz, editor do inova.jor, sobre internet das coisas aplicada ao agronegócio
Compartilhe

A internet das coisas (IoT, na sigla em inglês) promete trazer grandes mudanças ao agronegócio.

“No Brasil, estamos nesse momento de conectar a área rural, e criar todo esse ecossistema de empresas que produzem os sensores e que prestam serviços no campo ao produtor”, afirmou Juelinton Silveira, diretor de Comunicação e Relações com o Governo da Huawei Brasil.

Recentemente, o executivo visitou aplicações na China que mostram o potencial do IoT para a agricultura. Ele destacou três delas: a estufa inteligente, a irrigação inteligente e o controle de pragas inteligente.

“O interessante é que todas elas poderiam ser monitoradas remotamente”, disse Silveira. “Com o celular, é possível controlar todos os sensores, e todas as ações que podem ser feitas nesses três sistemas.”

Uma vantagem demonstrada pelas aplicações é a redução no uso de insumos, incluindo água.

“Em 2050, haverá 10 bilhões de pessoas no mundo e talvez não tenhamos água suficiente para aumentar vertiginosamente nossa produção. Com agricultura de precisão, conseguimos diminuir o uso da água e impactar muito menos o meio ambiente. É um resultado muito bom para a sociedade”, explicou.

Vaca conectada

Na pecuária, uma aplicação interessante da internet das coisas é a vaca conectada, demonstrada pela Huawei no ano passado durante o evento Futurecom, em São Paulo.

Sensores aplicados à vaca leiteira possibilitam melhorar a qualidade do leite e o volume produzido.

“Numa província da China, numa fazenda em que temos esse piloto, passou de 85% para 95% a acuracidade para identificar o cio da vaca, que é o momento em que ela vai poder ser inseminada. Isso aumentou a produção de leite em 25% nessa fazenda”, destacou o executivo.

No Brasil, ainda existe necessidades básicas a serem atendidas, como a ampliação da cobertura da rede de comunicações móveis.

“Ainda temos aproximadamente 97 mil antenas. Se formos comparar, a China já tem mais de 3 milhões de antenas. Já os EUA têm mais de 500 mil antenas. O que isso mostra? Que a conectividade no Brasil ainda não chegou num nível necessário para conectar a área rural.”

Para saber mais sobre o IoT no campo, assista ao vídeo com a entrevista de Juelinton Silveira à Conexão Huawei.


Compartilhe
Previous Article

Votorantim Cimentos lança desafio de inovação aberta

Next Article

Inovação precisa ser vista como opção de investimento

Veja também

A Voith criou um mercado digital de papel reciclado nos Estados Unidos / Divulgação

Aos 150 anos, Voith aposta na transformação digital

Compartilhe

CompartilheFundada em 1867, a Voith fortalece sua presença no mundo digital. O grupo alemão fornece máquinas para setores como energia, petróleo e gás, papel, extração de matérias-primas e transporte e automotivo. Recentemente, criou a divisão […]


Compartilhe