Huawei: ‘Chegamos ao momento de conectar o campo’

Juelinton Silveira, diretor de Comunicação e Relações com o Governo da Huawei Brasil, conversa com Renato Cruz, editor do inova.jor, sobre internet das coisas aplicada ao agronegócio
Compartilhe

A internet das coisas (IoT, na sigla em inglês) promete trazer grandes mudanças ao agronegócio.

“No Brasil, estamos nesse momento de conectar a área rural, e criar todo esse ecossistema de empresas que produzem os sensores e que prestam serviços no campo ao produtor”, afirmou Juelinton Silveira, diretor de Comunicação e Relações com o Governo da Huawei Brasil.

Recentemente, o executivo visitou aplicações na China que mostram o potencial do IoT para a agricultura. Ele destacou três delas: a estufa inteligente, a irrigação inteligente e o controle de pragas inteligente.

“O interessante é que todas elas poderiam ser monitoradas remotamente”, disse Silveira. “Com o celular, é possível controlar todos os sensores, e todas as ações que podem ser feitas nesses três sistemas.”

Uma vantagem demonstrada pelas aplicações é a redução no uso de insumos, incluindo água.

“Em 2050, haverá 10 bilhões de pessoas no mundo e talvez não tenhamos água suficiente para aumentar vertiginosamente nossa produção. Com agricultura de precisão, conseguimos diminuir o uso da água e impactar muito menos o meio ambiente. É um resultado muito bom para a sociedade”, explicou.

Vaca conectada

Na pecuária, uma aplicação interessante da internet das coisas é a vaca conectada, demonstrada pela Huawei no ano passado durante o evento Futurecom, em São Paulo.

Sensores aplicados à vaca leiteira possibilitam melhorar a qualidade do leite e o volume produzido.

“Numa província da China, numa fazenda em que temos esse piloto, passou de 85% para 95% a acuracidade para identificar o cio da vaca, que é o momento em que ela vai poder ser inseminada. Isso aumentou a produção de leite em 25% nessa fazenda”, destacou o executivo.

No Brasil, ainda existe necessidades básicas a serem atendidas, como a ampliação da cobertura da rede de comunicações móveis.

“Ainda temos aproximadamente 97 mil antenas. Se formos comparar, a China já tem mais de 3 milhões de antenas. Já os EUA têm mais de 500 mil antenas. O que isso mostra? Que a conectividade no Brasil ainda não chegou num nível necessário para conectar a área rural.”

Para saber mais sobre o IoT no campo, assista ao vídeo com a entrevista de Juelinton Silveira à Conexão Huawei.


Compartilhe
Previous Article

Votorantim Cimentos lança desafio de inovação aberta

Next Article

Inovação precisa ser vista como opção de investimento

Veja também

Daniel Schurman, do PayPal, falou sobre pagamentos móveis no MWC, em Barcelona / Renato Cruz/Inova.jor

MWC2016: Se quiser, pode pagar com o celular

Compartilhe

CompartilheBARCELONA Agora parece que vai. Gigantes mundiais apostam na popularização do serviço de pagamentos móveis e o Brasil é uma parte importante da estratégia. Durante o evento Mobile World Congress (MWC), que começou hoje em Barcelona, […]


Compartilhe