Por que a IBM decidiu comprar a Red Hat

James M. Whitehurst, da Red Hat, e Ginni Rometty, da IBM, anunciaram acordo / Divulgação
Compartilhe

James M. Whitehurst, da Red Hat, e Ginni Rometty, da IBM, anunciaram acordo / Divulgação
James M. Whitehurst, da Red Hat, e Ginni Rometty, da IBM, anunciaram acordo / Divulgação

A IBM anunciou ontem (28/10) um acordo para comprar a Red Hat por US$ 34 bilhões.

A aquisição melhora a posição da empresa no mercado de nuvem.

Segundo comunicado, o objetivo é transformar a IBM no maior fornecedor de nuvem híbrida do mundo.

A nuvem híbrida combina operações de nuvem pública (hospedada em data centers de terceiros) e nuvem privada (em servidores próprios).

Uma pesquisa recente da RightScale mostrou a IBM em quarto lugar no mercado de nuvem, atrás da AWS (Amazon), Microsoft e Google.

Em junho, a Microsoft comprou a plataforma de desenvolvedores GitHub por US$ 7,5 bilhões.

Crescimento

A aquisição pode ser vista como uma maneira de a IBM buscar crescimento.

Em 2011, um ano antes de Ginni Rometty assumir o posto de CEO, a companhia havia faturado US$ 106,9 bilhões.

Segundo o Wall Street Journal, a previsão de receitas para este ano é de US$ 79,7 bilhões.

A Red Hat tem como principal produto sua distribuição de Linux. O sistema operacional tem código aberto. Ou seja, pode ser usado gratuitamente.

No ano passado, a Red Hat faturou US$ 2,4 bilhões. Como o software é gratuito, a receita vem de serviços.

O acesso aos clientes e canais da IBM deve alavancar as vendas da Red Hat. 

Além do Linux, a Red Hat oferece produtos importantes para o mundo de nuvem, como o OpenShift, uma solução de conteinerização.

A conteinerização, ou virtualização de sistema operacional, permite criar ambientes que compartilhem recursos de uma máquina e funcionem como se fossem computadores diferentes.

De acordo com a IBM, a computação em nuvem é um mercado crescente de US$ 1 trilhão, e somente 20% dos sistemas das companhias já estão na nuvem.

Segunda maior

A compra da Red Hat é a maior aquisição da história da IBM e, segundo a Bloomberg, a segunda maior do mercado de tecnologia.

A maior foi a compra da EMC pela Dell, por US$ 63,7 bilhões, em 2015.

O valor oferecido pela IBM representa ágio de 63% sobre o valor de mercado da Red Hat na sexta-feira.

A expectativa é que a aquisição seja concluída em meados do próximo ano.


Compartilhe
Publicação Anterior

Itaú Unibanco recebe inscrições para batalha de dados

Próxima Publicação

Uma era em que os turistas têm mais poder do que nunca

Veja também

Taxa de empreendedorismo é a segunda maior da história / Sebrae-SP

Cai a taxa de novos empreendedores no Brasil

Compartilhe

CompartilheNo ano passado, havia 52 milhões de empreendedores no país, o que equivale a dois a cada cinco brasileiros com idade de 18 a 64 anos, segundo a pesquisa Global Entrepreneurship Monitor, divulgada pelo Sebrae. […]


Compartilhe