O chip de celular vai deixar de existir. O que muda?

Com o eSIM, mudar de operadora será tão fácil quanto fazer login num aplicativo / Sam Carpenter/Creative Commons
Compartilhe

Com o eSIM, mudar de operadora será tão fácil quanto fazer login num aplicativo / Sam Carpenter/Creative Commons
Com o eSIM, mudar de operadora será tão fácil quanto fazer login num aplicativo / Sam Carpenter/Creative Commons

O SIM card, chip que identifica o número e a operadora do celular, vai em breve deixar de existir. Essa identificação passará a ser feita por software e isso trará grandes mudanças para consumidores, fabricantes e operadoras.
Na verdade, o chamado SIM eletrônico, ou eSIM, já existe. O primeiro equipamento a usá-lo foi o relógio inteligente Samsung Gear S2, lançado no ano passado.
A transição de um chip físico para a autenticação por software é essencial para possibilitar o desenvolvimento da internet das coisas.
Dezenas de bilhões de dispositivos, muitos deles bem pequenos, vão se conectar pela rede celular.
A consultoria Strategy& chamou, em estudo recente, o SIM card de “algema dourada”, que atualmente prende o consumidor à sua operadora.
A disseminação do eSIM vai mudar esse cenário.
“Com o desaparecimento do cartão físico, a setor entra num período de dois ou três anos de grande mudança, com amplas fatias do mercado de telecomunicações potencialmente em disputa”, escreveram Olaf Acker, Jean-Thomas Célette, Tobias Bergtholdt e Mientje Krüger, da Strategy&.
Escolher um plano e usar uma nova operadora deve se tornar tão fácil quanto se conectar a uma rede wi-fi.

Incertezas e oportunidades

Operadoras que têm rede própria, como China Mobile, Vodafone, Airtel, América Móvil (Claro) e Telefônica (Vivo), são as que enfrentam as maiores incertezas.
Elas têm o desafio de manter os clientes na sua base, mesmo depois do fim do chip físico.
As maiores oportunidades, ainda segundo a consultoria, se apresentam aos fabricantes, que poderão oferecer conectividade juntamente com os aparelhos.
A Amazon, com o Kindle, já faz isso há alguns anos, antes mesmo de o SIM card desaparecer.
Além da facilidade de escolha, os consumidores poderão começar a acrescentar múltiplos aparelhos num mesmo plano, o que deve reduzir preços e simplificar o gerenciamento de contratos.
Também será muito mais fácil fugir das tarifas de roaming internacional, já que conectar-se a uma nova operadora será tão simples quanto fazer login num aplicativo.
Segundo o estudo da Ericsson, 28 bilhões de equipamentos serão candidatos ao uso do eSIM em 2021. A Cisco estima que, em 2020, haverá 50 bilhões de equipamentos conectados no mundo.
eSIM: A evolução do SIM card / Fonte: Strategy&
 


Compartilhe
Publicação Anterior

Qual é o valor das marcas brasileiras de tecnologia

Próxima Publicação

Health Angels busca startups do setor de saúde

Veja também

O jornalista Renato Cruz comenta a notícia de que o Facebook e a Apple planejam investir US$ 1 bilhão em conteúdo exclusivo de vídeo no próximo ano

Por que o Facebook e a Apple querem ser a HBO

Compartilhe

Compartilhe Parece que as grandes empresas de tecnologia querem se tornar a HBO. O jornalista Renato Cruz comenta a notícia de que o Facebook e a Apple planejam investir US$ 1 bilhão em conteúdo exclusivo […]


Compartilhe
Indústria brasileira precisa de uma política voltada ao mercado internacional / Renato Cruz/inova.jor

Por que o Brasil precisa de uma nova política industrial

Compartilhe

CompartilheO Brasil precisa de uma nova política industrial. Na sexta-feira (29/9), o País entrou na Organização Mundial do Comércio (OMC) com recurso contra a condenação de subsídios à indústria nacional. A análise do recurso deve levar […]


Compartilhe
A Nintendo tentou colocar a realidade virtual no mercado há 20 anos, com o Virtual Boy, mas não deu certo

Quando a realidade virtual era o futuro da tecnologia

Compartilhe

CompartilheO pesquisador Jaron Lanier é conhecido hoje por ser autor de livros como Gadget: você não é um aplicativo e Bem-vindo ao futuro, em que propõe que mudemos a forma como nos relacionamos com a tecnologia. No século passado, […]


Compartilhe