WND quer conectar coisas à internet com baixo custo

A WND planeja investir US$ 50 milhões em sua rede de comunicação de dados em três anos / inova.jor
Compartilhe

A WND planeja investir US$ 50 milhões em sua rede de comunicação de dados em três anos / inova.jor
A WND planeja investir US$ 50 milhões em sua rede de comunicação de dados em três anos / inova.jor

Pessoas querem cada vez mais capacidade na conexão à internet. Objetos como sensores e medidores, por outro lado, não consomem grandes volumes de dados.
Eles precisam de soluções de baixo consumo de energia e de baixo custo.
A WND é responsável pela operação dos serviços da SigFox na América Latina e no Reino Unido. A SigFox é uma tecnologia de rede de longo alcance e baixa potência (LPWAN, na sigla em inglês).
No Brasil, a WND cobriu 12 regiões metropolitanas e propriedades rurais no Mato Grosso.
“Temos 80 milhões de pessoas cobertas”, afirmou Eduardo Iha, diretor de Negócios da WND, durante o evento Futurecom, em São Paulo. “Nossa rede está disponível hoje para 35% do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro. No ano que vem, esperamos cobrir 80%.”
Atualmente, a WND tem mais de 20 parceiros no Brasil, que desenvolvem soluções de internet das coisas para diversas verticais.
As áreas prioritárias para a empresa são agronegócio, serviços públicos, segurança, logística e cidades inteligentes.
Iha citou um caso interessante em que um grande produtor rural brasileiro precisava mandar uma pessoa para medir mensalmente a quantidade de insumos distribuída em sua propriedade.
“O principal problema não era nem o custo do funcionário, mas o risco de erro”, explicou o executivo. “Por causa de uma medição errada, ele acabou fertilizando um lote que não precisava, e só percebeu um mês depois.”
Na visão do executivo, a tecnologia SigFox é complementar a outras redes, como a de telefonia celular.

Duração de bateria

A SigFox promete equipamentos e serviços com preços mais baixos.
Segundo José Almeida, diretor de Ecossistema e Dispositivos da WND, um modem GSM, que usa a rede celular de segunda geração, pode sair por US$ 10, com o cartão SIM. “Nosso modem custa US$ 2,60”, destaca.
Além disso, existe a diferença no preço do serviço, que, dependendo do tipo de aplicação, pode custar US$ 1 ao ano.
A tecnologia SigFox é indicada para aplicações como rastreamento de veículos, monitoramento de refrigeradores e pluviômetros no campo.
A bateria pode durar anos, dispensando a necessidade de recarregá-la durante toda a vida útil do dispositivo.
O custo e a grande duração de bateria acabam ampliando as possibilidades de aplicações de internet das coisas.
Num evento recente da SigFox em Praga, foi apresentada uma ratoeira inteligente, equipada com conexão SigFox. O dispositivo avisa quando pega um rato.
“Também vimos a demonstração de um envelope inteligente, que avisa quando foi aberto”, afirmou José Almeida.
Na visão do executivo, existe uma grande oportunidade para a indústria nacional no desenvolvimento de equipamentos conectados, já que se trata de um mercado novo.
“Confiamos no adensamento da cadeia da eletrônica”, completou.
A tecnologia SigFox trabalha com frequências livres, as mesma utilizadas pelo wi-fi, que não precisam de licença da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).
A WND planeja investir US$ 50 milhões em três anos.


Compartilhe
Previous Article

Quais são os planos da TIM para ampliar a rede 4G

Next Article

Por que querem censurar a internet durante as eleições

Veja também

O número de linhas com 3G cresceu 120% no último ano / Tony Alter / Creative Commons

Brasil perde 15,1 milhões de linhas móveis em 12 meses

Compartilhe

CompartilheO Brasil perdeu 15,1 milhões de linhas móveis no período de 12 meses encerrado em fevereiro, chegando a 242,9 milhões de linhas, segundo a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Dentre os quatro maiores grupos, apenas a Vivo […]


Compartilhe
Competição UltraChallenge, da Saint-Gobain, procura projetos de internet das coisas / Divulgação

Saint-Gobain busca soluções de internet das coisas

Compartilhe

CompartilheA Saint-Gobain abriu inscrições para o Ultra Challenge, maratona de desenvolvimento ambientada em plataformas digitais. Os interessados podem se inscrever até 20 de outubro. O hackathon virtual tem como foco o desenvolvimento de soluções em […]


Compartilhe
Startups selecionadas podem passar por processo de aceleração com acompanhamento da ACE / Divulgação

Enel busca startups para parcerias e investimento

Compartilhe

CompartilheA Enel, empresa italiana de energia, busca startups para investimento ou parcerias comerciais estratégicas. Seu programa Energy Start está com as inscrições abertas até 30 de setembro. As startups interessadas precisam ter projetos nos seguintes […]


Compartilhe