Rede elétrica inteligente reduz consumo de energia

Compartilhe

Smart grid: sensores em lâmpadas públicas economizam energia nas cidades inteligentes / Premsa SantCugat/Creative Commons
Sensores em lâmpadas públicas economizam energia nas cidades inteligentes / Premsa SantCugat/Creative Commons

Há quase duas décadas, o Brasil viveu uma era de apagões. Atualmente, com a crise econômica, o País trabalha com excedente de energia até 2020.
A rede elétrica inteligente (smart grid) pode garantir um consumo eficiente de energia, para que o País não enfrente problemas com a retomada da economia.
Com sensores espalhados pela cidade, garantindo eficiência energética tanto de espaços públicos quanto de privados, o brasileiro deve aprender a consumir melhor a energia.
“O usuário terá em mãos o consumo detalhado da sua conta. Como num futuro próximo os objetos estarão todos conectados, ele poderá ver o melhor horário para programar a sua lavagem de roupa, por exemplo”, explica José Roberto Silva, consultor de serviços da CGI no Brasil.

Medidores inteligentes

Para o especialista, a tecnologia de smart grid ajudará o consumidor e o governo a economizarem. Isso porque, com a implantação de medidores inteligentes, que começam a ser instalados no País, as fraudes de energia passam a ser praticamente nulas.
A expectativa, no entanto, é de não ver projetos de larga escala em prática tão rápido quanto em outros países.
“Para que as cidades inteligentes saiam do papel seria necessário uma revolução. O investimento é alto e alguém precisaria pagar a conta, mas ainda não ficou acertado se quem precisará pagar é próprio consumidor ou o governo”, diz Silva.
As crises econômica e política devem ser os principais fatores a atrasar os investimentos.
“Apesar de o governo ter criado um grupo para debater cidades inteligentes, acho muito difícil que ele esteja disposto a ter esse alto investimento agora. O Brasil é um País continental, desigual e que precisaria de muito esforço para levar a tecnologia. Não podemos esquecer que ainda há locais que sequer existe energia elétrica”, explica Marco Afonso, diretor de consultoria de utilities da CGI.

Energias renováveis

A tecnologia brasileira para energias renováveis é outra aposta do setor.
Com o avanço estrutural dos parques eólicos no Nordeste, a energia solar começa a engatinhar como uma oportunidade de geração para o País.
“O Brasil é perfeito para as energias renováveis e o governo passa a ver um potencial enorme para isso. Até porque a geração de energia elétrica por hidrelétricas está cada vez mais complicada”, completa Afonso.
No Brasil, a energia eólica tem se tornado um campo promissor para startups.


Compartilhe
Previous Article

Japão quer tornar privada automática mais fácil de usar

Next Article

Brasil perde 13,7 milhões de acessos móveis em 2016

Veja também

Dario Dal Piaz, do Facebook, fala sobre como as empresas podem usar bots no Messenger / Patricia Barão/inova.jor

Como as tecnologias móveis modificam o varejo físico

Compartilhe

CompartilheCombinar o varejo físico com tecnologias móveis se tornou peça fundamental para ganhar competitividade e enfrentar a concorrência do comércio eletrônico. Durante a 9ª edição do Forum Mobile+, que terminou hoje (5/10) em São Paulo, varejistas […]


Compartilhe
Seis startups serão escolhidas para o programa de aceleração da Algar Telecom / Renato Cruz/inova.jor

Algar Telecom abre novo ciclo de aceleração de startups

Compartilhe

CompartilheStartups com soluções focadas em eficiência, transformação digital, cidades inteligentes, entretenimento, comunicação e ferramentas para o público jovem podem se inscrever no Programa de Aceleração de Startups da Algar Telecom. Em parceria com a aceleradora Ace […]


Compartilhe