Como as startups contribuem para a economia

Compartilhe

No ano passado, 1.569 startups se inscreveram no programa 100 Open Startups / Divulgação
No ano passado, 1.569 startups se inscreveram no programa 100 Open Startups / Divulgação

O mercado de startups tem crescido nos últimos anos no Brasil, mantendo-se atrativo até mesmo em período de crise econômica.
É o que indica estudo da Associação a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec) e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas empresas (Sebrae).
O Estudo de impacto econômico, segmento de incubadoras de empresas do Brasil aponta que o faturamento de empresas apoiadas por incubadoras já ultrapassa R$ 15 bilhões anuais.
O setor gera ainda 53.280 empregos diretos, numa época de economia em recessão com constantes altas no índice de desemprego.

Ecossistema

O relacionamento das startups com grandes empresas é um ponto importante do dinamismo desse mercado.
Por um lado, esse tipo de acordo reduz o risco das startups, ao garantir uma fonte importante de receita para as empresas iniciantes. Por outro, traz dinamismo e inovação à operação das grandes corporações.
O programa 100 Open Startups proporciona o encontro entre novas empresas e companhias já consolidadas.
A expectativa é que 100 empresas iniciantes sejam selecionadas para a segunda edição do projeto, que tem inscrições abertas até 15 de agosto.
No ato da inscrição, é preciso escolher em qual dos 20 desafios temáticos da sociedade a startup pode contribuir com soluções. Há desafios nas áreas de saúde, educação, energia, moda e urbanização, entre outros.
As propostas são avaliadas por especialistas e executivos de empresas como 3M, IBM, Abbott, Natura, Whirpool e Boticário.
Caso o projeto seja de interesse das empresas, será agendada uma apresentação em evento em 12 cidades brasileiras e outras nove no exterior.
Realizada ano passado, a primeira edição contou com 1.569 inscritos, 53 contratos firmados e outros 692 em fase de negociação, segundo a organização.
Neste ano, o programa pretende atrair também empresas de outros países, que estejam prontas para receber investimento.
Ao fim do programa, será criado um ranking das startups mais atraentes para o mercado, tendo como base uma pontuação definida pelas empresas parceiraas do projeto.
No ano passado, a líder do ranking foi a startup paulistana Learn Survey, que faz pesquisas presenciais via crowdsourcing.


Compartilhe
Publicação Anterior

Accenture: ‘Negócios tradicionais estão em risco’

Próxima Publicação

Quais são os planos da TIM para startups

Veja também

Klabin abre inscrições para novos Pitch Days

Compartilhe

CompartilheA Klabin abriu inscrições para quatro novos Pitch Days. A iniciativa busca atrair parceiros para solução de diversos desafios da companhia. Dessa vez, o objetivo do programa de inovação aberta é convidar startups e fornecedores […]


Compartilhe
James M. Whitehurst, da Red Hat, e Ginni Rometty, da IBM, anunciaram acordo / Divulgação

Por que a IBM decidiu comprar a Red Hat

Compartilhe

CompartilheA IBM anunciou ontem (28/10) um acordo para comprar a Red Hat por US$ 34 bilhões. A aquisição melhora a posição da empresa no mercado de nuvem. Segundo comunicado, o objetivo é transformar a IBM […]


Compartilhe